sábado, 11 de fevereiro de 2017

ESSE OLHAR QUE VARA O CRISÂNTEMO
(In: "Ciclópico olho", de Horácio Costa - Selo Demônio Negro, 2011)
esse olhar é meu.
Esse olhar que vara o amarelo
esse olhar é meu.
Esse olhar que de noite
perpassa
a noite
o amarelo
o crisântemo
o olhar mesmo
esse é meu olhar.
Vem embebido
do dono
mas é seu próprio
é sozinho.
Esse olhar não tem
dono ou base:
o Monte Ajusco
a Cordilheira do Atlas.
Esse olhar vara
por si:
a flor varada
depois dele
desfolha-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário