domingo, 18 de junho de 2017

O pacto

Alfonso Brezmes
Tradução de Norma de Souza Lopes
Se me acende, não aguardes
de mim conversa fiada,
os desgastados ritos do amor,
as consabidas normas,
os regulamentos mais toscos
que matematicamente predizem
como tudo se tece e destece.
Se me prendes,
não me venha com lenha para um dia
que acaso nunca haverá de chegar,
não me venha brincar o jogo proibido,
se ignora a aritmética e o cálculo.
Não te cubras, não conserves:
organize tua vida para o fogo.
Este é o pacto: se me incendeias,
arde comigo.

sábado, 17 de junho de 2017

Catorze

A alma dum rapaz é naturalmente
fascista. Não se deixa levar
pelo brado da justiça. Conhece bem
as pedras e a força que as anima.
Sabe a que distância um insulto fere bem.
Não precisa de estudar o ADN, a lei
do mais feroz. Esmurra quem lhe foge,
conjuga sempre os verbos no presente,
acende numa sarça o cigarro inicial.
Vista para um Pátio seguido de Desordem Relógio D’Água, 2003, p. 26.
José Miguel Silva 

domingo, 4 de junho de 2017

fartam-me o armário casacos usados poucas vezes
para cada tipo de frio tenho um
o frio fresco
chuvoso
com riscos de tempestade
o frio que me é familiar
e aquele que vem do estrangeiro
para aqueles dias de nevasca que aqui nem cai guardo um especial
provo todos os invernos
em todas as estações
depois guardo-os e observo
entre todos
sempre me parece faltar
o casaco perfeito
ideal para o dia
ou para a noite
em que me despirei dele
e do resto,
aos poucos
também.