domingo, 27 de novembro de 2011

show room (for us)

a gente vive numa casa velha
apertada
onde vivem também
muitos outros
sonhos
velhos
daqueles que um
dia
a gente pretende
realizar
quero viver com você
numa casa de show
room
dessas de maquetes
pintadas cozinhas
planejadas moveis
da tok stok
escolhidas a dedo
pelo
seu e pelo meu
paga dez
ou em vinte
meses que muitas vezes
a gente vai rever e cortar
as revistas
de jardinagem
pra mudar
as terras dos nossos vasos
que adubo
nunca vai faltar
nem amor pra dar
essa casa ainda é sonho
feito
creme e chocolate
feito
a mais pura arte
de faz de conta
e 200 fios, filhos
da m.martan.

Ellen Maria

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Mundo de Os

Da sua cara de sono, eu me lembro bem
Da sua voz cansada, eu me lembro bem
Da sua expressão doce, eu me lembro bem
Da sua calça largada, eu me lembro bem
Do seu número de telefone, eu nunca esqueci
Do seu beijo intenso, eu nunca esqueci
Do seu sorriso tímido, eu nunca esqueci
Do seu gosto raro, eu nunca esqueci
Da sua cama no chão, eu me lembro bem
Da sua barba e cabelo, eu me lembro bem
Da sua vontade de casar, eu me lembro bem
E ter filhos comigo, eu me lembro bem
Do seu jeito preguiçoso, eu nunca esqueci
Do seu mal humor engraçado, eu nunca esqueci
Do seu desejo de viajar, eu nunca esqueci
E que seja comigo, eu nunca esqueci
Da sua honestidade, eu me lembro bem
Da sua fidelidade, eu me lembro bem
Do seu sentimento, eu nunca esqueci
Do seu incerto medo, eu nunca esqueci

Eu me lembro bem
e nunca esqueci
o que nem preciso lembrar
o que nem pretendo esquecer
você sabe o tanto quanto eu
que melhor que o que fica na memória
que melhor que o que fica na lembrança
é estarmos nós, desatados os nós
porque sós,
estamos juntos.

Ellen Maria

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

terça-feira, 22 de novembro de 2011

crise invisivel

Quando seu amor estiver cansado
Me diz que a gente termina a estrada
e começa outro caminho
Pro lado de lá da vereda
Passando a margem do rio tietê
Vai saber
Talvez já dê
pra inventar o impossível
Tira o véu do rosto
Ainda tem coisa pra falar
A gente não foi feito pra acabar.

Será o suficiente?


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

(Cronologia das) Unhas

Cortadas pela mamãe.
Frágeis.
Com as cores da bandeira do Brasil.
Para roer compulsivamente.
Cata-piolho.
Com significados premonitórios.
Sem nenhuma importância.
Francesas.
Nojentas, sujas, asquerosas.
Bem aparadas para não a machucar.
Instrumento.
Esquecidas.
Pintadas.
Saca-espinhas.
Cópia das alunas.
Minhas.

Ellen Maria

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

atemporal

aquele dia que a gente teve
que foi o mais bonito dos dias
para reunir todas as nossas delicias
para contar os velhos infernos
para resumir os grandes defeitos
para anunciar as discretas vitórias
para narrar as viagens perigosas
para brincar de sermos amantes
para sonhar uma vida distante
que transcendeu a melhor ideia de paraíso
que desestabilizou todos os outros
que durou na memória para sempre
está chegando.

Ellen Maria

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

pra rir ou pra chorar?

esse foi o ano que menos li.
ou será o ano que mais li?
li menos livros inteiros.
li mais redações.
li menos narrativas densas.
li mais textos suspensos.
li menos ficção publicada.
li mais história engraçada.
ai, essa vida de professora.
calhou bem na hora.
de terminar as leituras
obrigatórias da faculdade.