sábado, 13 de agosto de 2016

atemporal

um milésimo de cada segundo
às vezes dois
o último ar aspirado
antes da primeira palavra pronunciada
de todo poema

é pra ninguém
alguém

faz tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário