sábado, 9 de julho de 2016

o terror

"até cada objecto se encher de luz e ser apanhado
por todos os lados habéis, e ser ímpar,
ser escolhido,
e lampejando do ar à volta,
na ordem do mundo aquela fracção real dos dedos juntos
como para escrever cada palavra:
pegar ao alto numa coisa em estado de milagre: seja:
um copo de água,
tudo pronto para que a luz estremeça:
o terror da beleza, isso, o terror da beleza delicadíssima
tão súbito e implacável na vida administrativa."

Herberto Helder in Servidões

Nenhum comentário:

Postar um comentário