sábado, 28 de maio de 2016

Ignora o horizonte

"Ignora o horizonte.
Troca quentes trópicos por um doce de padaria.
Ontem pegou Ofélia pela mão no caminho para o lago e
soprou-lhe os olhos

Os sapos faziam ruído de máquina
Da consani que levava dedos
O fundo eram offsets
Roto? Flexo?

Por pouco não perdeu...
Separou corpo e mente,
a perfeição no leque repetido por vinte e cinco anos,
enxergava por um átimo o futuro.

Acordou

Anos separando verde e vermelho,
reciclando o lixo:
joio e trigo de plástico e chumbo,
gatos selvagens correndo na grama contaminada.

Toca árvores todos os dias,
olha suas folhas
desaprendeu as medidas da sua polar mor.
Cinco colheres de café e um copo de açúcar?

O esterno parou de doer no terceiro ano,
o solvente não queima mais por dentro,
mas lhe deixaram parafusos.

Abre a janela com o pé assustando as maritacas,
Que não comem cevadinha.
O cachorro late estressado no cubículo azulejado.

Cinco aqui aqui.
Cinco anos lá.

Abraços apertados,
o mar de Itapuã na boca de ferro,
o choro no ombro azul royal,
a canjica no café dos dias frios.

quero-quero."

Cristiane Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário