quinta-feira, 25 de junho de 2015

Poca cosa en el mundo

"Poca cosa en el mundo con utilidad
todavía: la luna, María. Una
sobre otra con su luz vacía, el cuarto
menguante cada vez con menos cosas, los
muslos menguantes cada vez con menos manos, el
óvalo del rostro que rueda por la sombra. "Espérame
un año y verás: será distinto por la estrella el
destino". Luna de estío, estilo de brillar barroco, el
hueco de la noche se hace día, dices. Pero lo que no
dices y tal vez deberías es que no hay talismán que
frene el maleficio de no estar contigo, aquí
en la maleza de sonidos voló el ave que consuela."

**

Pouca coisa no mundo com utilidade
ainda: a lua, Maria. Uma
sobre a outra com sua luz vazia, o quarto
minguante cada vez com menos coisas, as
coxas minguantes cada vez com menos mãos, o
óvalo do rosto que roda pela sombra. "Espera por mim
um ano e verá: será distinto pela estrela o
destino". Lua de estio, estilo de brilhar barroco, o
oco da noite se faz dia, diz. Mas o que não
diz e talvez deveria é que não há talismã que
freie o malefício de não estar com você, aqui
na maleza de sons voou a ave que consola.

Eduardo Milán
Tradução: Ellen Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário