sexta-feira, 22 de maio de 2015

#poesiadobrasil

poderia estar matando
mas não sou dessas
de sair matando
todo mundo
bebendo na mesa de um bar
fechado
tomo cachaça
às vezes tomo dreher
e sou descolado
leio tarot e escrevo cartas
sou desbocado
perco o rim, o fígado e a piada
sou fundador do selfie da poesia
pobre

preguiça dos que são publicados
em revistas
falando mal dos outros
que são publicados
em editoras europeias
e vice-versa

e na contra-capa, havia uma pedra
havia uma pedra
um prêmio literário
na timeline das antologias
inveja de quem dança tango
no meio do caminho

parem tudo
parem de escrever
de ler
de babar ovo e puxar saco
de limpar merda de aquários
não parem por nada

os poetas batem punheta com o poema alheio
e limpam o gozo com manuel bandeira.


Ellen Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário