quinta-feira, 3 de março de 2016

Cama nova

Quantas vezes você pode estrear uma cama
com flores mortas em um buquê
e aplausos de pé da plateia
aquela, seus olhos
que brilham e se espantam no escuro
com tamanho pedaço de tela
madeira, molas, espuma nova
e lençol cheiroso
Quantas vezes você pode lembrar
de ter dormido sem querer tocar a malha
para não amassar, não sujar
Quantas vezes você pode dizer
que impregnou a própria cama
de suor pela primeira vez
tomar banho para jogar fora toda e qualquer
célula velha
e ter um sonho que ela jamais sonhou em ter
Uma cama nova para uma só pessoa
ainda que caibam duas e até três
Uma cama que habita um quarto
que colore uma colcha
que não cabe de tanto riso
quantos dentes cabem no espelho
do lado oposto
hoje só meu o espelho, o riso, a cama
depois virão outros corpos
estranhos corpos e conhecidos
que a cama não sabe
mas acolherá e fará festa
guardará em sua memoria
que toda imagem será de boas vindas
Uma cama para quem a compra
é moldura para o amor
asilo de más
mas a maior parte de boas
noites
Uma cama para quem estreia
Hoje é a estrela.


Ellen Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário