quinta-feira, 18 de junho de 2015

Céu de Tomie Ohtake

"Que azul são azuis e não são
algo azul como um lago
como um vago,
ou vertigem,
na fuligem do céu

Que azuis serão istos, então:
como um mata-borrão
sobre um mar congelado,
como blue note em blues
como o rastro dos astros
matizes do breu.

Que azuis seão estes, em vãos,
como lapsos da mão
sobre o negro,
como um antes azul...
como um toldo ex-
azul que des-
ceu."

Expedito Ferraz Jr, Poheresia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário