sexta-feira, 15 de maio de 2015

décimo andar - térreo

as britadeiras anunciam
madrugada
obra na avenida a essa hora
e abastecimento do posto de gasolina
movimento na biqueira
sobe e desce aviãozinho
de moto cento e cinquenta
o balanço do playground do prédio só se diverte
quando um vento
(criança) perde a vergonha
formigas se escorregam
no perfume do jasmineiro
canários de apartamento insones
estremecem
faz frio
aqui e nas salas alheias
de sacadas abertas
toda uma vida
da minha janela
te mando um beijo na orelha
porque você gosta
debaixo do lençol e do cobertor
em cima do tapete
avança o ar sobre seu pescoço
e você se arrepia
sei de tudo isso de olhos fechados
há vários quilômetros de distância
todo um sonho
fecho o vidro e a cortina
essa fome que não passa
o mundo acontece lá fora
ainda bem
amanhã vou dormir com você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário