domingo, 19 de abril de 2015

Fogo Encantado

Não mando recado
Não solto fumaça
Não uso o dedo
Não coço a garganta
Não meço caracteres
bafo quente
minha palavra
é dita de olhos fechados
nariz tapado
pulmão afogado
boca
que boca?
pena
que pena?
nada de word
ou megafone

Minha palavra
é descoberta
através da roda
fincada
no pé descalço
sem atalho
balbucio
ou papel passado
firmado
de joelhos caídos
no terreiro
dos afetos

Meu nome
entre a faca
o sangue
e os dentes
fica a critério
da oferenda
é só
o motor

A palavra
condensa
em marcas
onde já passou
a tempestade.

Ellen Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário